Cicloturismo na Serra da Estrela

Cicloturismo na Serra da Estrela

Cicloturimo na Serra da Estrela – Portugal: um fim de semana diferente

A Katty e eu decidimos organizar um fim-de-semana numa das mais belas regiões de Portugal, a Serra da Estrela. A ideia era também ter um fim-de-semana “verde”, com a menor pegada de carbono possível. Ao mesmo tempo, significou muito esforço físico porque, mesmo de bicicletas elétricas, a Serra da Estrela sobre muito: é uma diferença de altitude de mais de 1900 metros… mas com um presente da natureza, uma vista extraordinária e paisagens deslumbrantes em todo o planalto no topo da Serra.

Assim, para começar, e para evitar gastar o nosso capital de carbono, não se trata de ir de carro até aos pés da Serra (i.e. Covilhã). Apanhámos dois bilhetes de comboio Lisboa-Covilhã e reservámos dois lugares para bicicletas: primeira surpresa: não custa mais, as bicicletas são gratuitas. No entanto, só em segunda classe e é preciso reservar os lugares junto às bicicletas. Outra desvantagem é que há apenas 2 lugares de bicicleta por cada carruagem de 2ª classe em todo o comboio, ou seja, 4 lugares no nosso caso… portanto, primeiro conselho, reserve com bastante antecedência…

Cicloturismo na Serra da EstrelaFacilmente instaladas num espaço reservado para o efeito, as suas bicicletas viajam em segurança (ver foto).

Então saímos às 8:15 da manhã em Santa Apolónia com um horário de chegada à Covilhã previsto por volta das 12:00, com um pequeno atraso de meia hora.

A Covilhã é uma pequena cidade bem simpática de 36.000 habitantes aos pés da Serra da Estrela, 52.000 habitantes com a área circundante.

A cidade é o berço da lã, com o seu Museu e a sua Universidade da Beira Interior.

A Serra da Estrela localizada na região central, refere-se à cadeia montanhosa onde se situam as maiores altitudes em Portugal continental. O seu ponto mais alto, com uma altitude de 1993 metros é chamado Torre, e faz dela a segunda montanha mais alta de Portugal.

O desafio foi fazer a viagem pela estrada da Covilhã ao Vale do Rossim em meio dia… ainda são 1935 metros de diferença de altitude positiva e 49 km… o que significa que mesmo com bicicletas elétricas é necessário um esforço significativo que não pode ser feito sem ciclismo regular, elétrico ou não. A vantagem da bicicleta elétrica é que esta subida se torna viável, enquanto que com uma bicicleta convencional, é realmente muito difícil sem um treino regular.  A bicicleta elétrica coloca assim esta subida ao alcance de muitas mais pessoas! E que visão quando chega ao topo!… mas ainda requer uma boa preparação:

 

A preparação do desafio:

Cicloturismo na Serra da EstrelaVoltemos por um momento aos preparativos para este grande final de semana. É muito importante sair bem equipado para que o seu fim-de-semana corra como planeado, ou seja, fantástico!
Regra número 1: não se sobrecarregue, porque quanto mais leve dirigir, menos cansa as pernas e menos bateria usa. Como não estamos aqui para fazer um desfile de moda, temos de levar roupas quentes e técnicas que sejam bem adaptadas.
Lembre-se que numa bicicleta elétrica, a velocidade média é maior do que a de uma bicicleta convencional, mas também significa que vai sentir o vento e o frio mais facilmente. Além disso, a Serra da Estrela sobe até aos 1934 metros e lá, em meados de Outubro mas também durante a maior parte do ano, não está calor, pode até estar frio, muito frio…

Para bicicletas, decidimos utilizar uma Riese & Muller Multicharger GT Touring e uma Riese & Muller Roadster. A Multicharger é perfeitamente adequada para este tipo de excursão: é uma E-cargo concebida para touring, roda 26, pneus Schwalbe Big Ben plus, capacidade de carga excepcional na traseira, mas também na frente, um motor Bosch Performance CX e uma bateria de 500 Wh Powertube.

A Roadster Touring HS é uma bicicleta mais urbana, certamente, mas com um comportamento impressionante, leve e com sensações extraordinárias. Eu queria levá-la para me divertir nas pistas… Mantive a e-bike com os pneus originais (Schwalbe G-One) mas podemos trocá-los contra os pneus Schwalbe Marathon Plus um pouco mais largos e com um perfil de borracha mais adequado para o turismo de bicicleta… Motor Bosch, um pouco menos potente (Performance) e uma bateria Powerpack de 500 Wh, o motor portou-se lindamente como era esperado, de qualquer forma a bicicleta é leve e eu levava pouca carga, foi ótimo…

Resumindo, duas bicicletas topo de gama para evitar pequenos problemas que podem estragar um fim-de-semana perfeito 🙂

Mesmo que sejam super E-bikes, não devemos sair sem um mínimo de equipamento para que tudo corra muito bem:

Equipamento de bicicleta e outros acessórios:

Bateria:
Um ponto essencial: como vamos andar de bicicleta durante muito tempo e muito tempo, é absolutamente necessário fornecer uma segunda bateria para cada bicicleta. E um Fast Charger (ou dois, só tínhamos um) de 6 Ah para poder recarregar, mesmo que parcialmente as baterias, em qualquer café ou restaurante. Então, sim, é muito mais peso (cerca de 7 kg), mas é esse o preço que temos de pagar para termos paz de espírito para uma subida como esta. Geralmente falando, e para elevações positivas que não excedam 500/700m durante o dia, dois carregadores rápidos podem ser suficientes se tiver a certeza de encontrar lugares para recarregá-las à hora do almoço, por exemplo.

Ferramentas e chaves multi-tools:
Uma ferramenta multi-chave, uma bomba e um kit para reparar um pneu furado (tipo bomba líquida) são essenciais.

Acessórios: Um espelho, uma buzina ou campainha, um suporte para smartphone são elementos essenciais. Também tem de escolher seus pedais para que eles se agarrem bem (eu deveria ter mudado os meus, porque os meus pés escorregavam um pouco).

Roupas e sapatos:

Para qualquer passeio, é necessário ter roupas de qualidade (portanto, leves) que protejam contra o vento e o frio. É essencial sentir-se bem. Levámos: corta-ventos Vaude, leves e muito eficazes, camisolas Hakro. Ainda contra o vento e o frio, leve um BUFF ThermoNet® multifuncional tubular: eficácia garantida. Para as calças, é claro que pode levar roupa técnica, mas as pernas estão em constante movimento, por isso não arrefecem muito. No entanto, bons sapatos e meias são essenciais. Um protetor de calças e sapatos também deve ser levados em caso de chuva forte. A marca Vaude tem produtos de excelente qualidade (eu digo objetivamente porque não vendemos Vaude!) e, acima de tudo, extremamente leves.

Outro acessório essencial que tínhamos esquecido (infelizmente) são as luvas. Nas descidas, a baixas temperaturas, as mãos ficam rapidamente muito frias e é muito desagradável. Pode mesmo forçá-lo a parar. Além disso, em caso de queda, as luvas protegerão as suas mãos…

Tudo isto pode parecer muito para algumas pessoas, mas estamos a falar de produtos muito leves e que ocupam pouco espaço e que tornarão a sua caminhada muito mais agradável.

Não tínhamos trazido um capacete, mas devo aconselhar a usar sempre um…

 

Outro:

Essencial: Leve água numa garrafa de água normal ou melhor numa bolsa de água como o de ORTLIEB. Muito prático, cabe em qualquer espaço da sua mala.
Indispensável: fechaduras e alarmes: infelizmente há ladrões por todo o lado, mesmo que seja mais provável que isso aconteça nas grandes cidades. Mas para evitar tentar o diabo… recomendamos vivamente que se prepare. Tínhamos levado: um cadeado Citadel de 1.50m que permite prender as duas bicicletas juntas em torno de um poste. Ambas as bicicletas têm um cadeado de roda ABUS. Mais um alarme NEDIS que grita quando você toca nas bicicletas.

Do lado da segurança, ainda levámos um kit de primeiros socorros da ORTLIEB: quando viajamos em zonas mais isoladas mais vale prevenir…

Necessário: Um powerbank (idealmente o da Knog) para o smartphone porque também pode descarregar rapidamente, especialmente se estiver usando um aplicativo como KOMOOT, STRAVA ou até mesmo GOOGLEMAPS. Lembre-se que vai passar por áreas com pouca cobertura de rede e, portanto, o seu smartphone vai gastar mais energia à procura de rede. Uma solução interessante (nós poderíamos tê-la utilizado, mas as nossas duas bicicletas têm o display Bosch Purion) é instalar o sistema de COBI.bike em vez do display INTUVIA. Pode então carregar o seu smartphone diretamente através da bateria da sua bicicleta.

Equipamento de transporte:

Tivemos que levar uma muda de roupa e produtos de higiene pessoal para 3 dias, os nossos computadores, telefones e alguns equipamentos adicionais para bicicletas. Equipámos a Multicharger com 2 sacos Back Roller City da ORTLIEB de 20 litros cada e um típico saco NIKE de cerca de 30 litros e uma mochila Victorinox de 15 litros (desaconselho fortemente a utilização de uma mochila maior porque destruirá as suas costas, nem mais nem menos). Por 3 dias é mais do que suficiente e vai precisar de menos se não trouxer uma segunda bateria.
Para uma viagem mais longa, podemos levar sacos ORTLIEB de 35 litros cada, e um rack de 50 litros, e se isso não for suficiente, leve outra bicicleta mais adequada que o meu Roadster e utilise 2 sacos adicionais… 20 ou 35 litros mais outro saco de 15 litros… e depois disso acho que é mais que suficiente levar o essencial para 5 a 7 dias de turismo de bicicleta. Em geral, as viagens são leves. Isto só vai aumentar o prazer da viagem. Não importa se passa dois ou três dias na mesma roupa… Para viagens maiores, é um equipamento completamente diferente que recomendamos e que descreveremos num outro artigo.

 

O desafio:

Depois de uma boa refeição num restaurante que recomendamos vivamente (Alkimya), atacamos a montanha às 14h30… e quando digo atacar a montanha… a estrada sobe quase sem interrupção até ao topo. Sobe com intensidade durante vários quilómetros. Gradualmente afastamo-nos da Covilhã e quando chegamos a uma primeira paragem no hotel Luna Hotel Serra da Estrela pensámos que tínhamos chegado quase ao topo, mas na verdade ainda há um longo caminho a percorrer até à Torre (1993 m) que é o cume oficial. Aproveitamos a oportunidade para fazer uma pausa, recarregar as baterias das bicicletas e as nossas com um bom cocktail sem álcool. O pessoal deste hotel é muito simpático e deixou-nos recarregar as baterias da bicicleta sem qualquer problema.

Então saímos 45 minutos depois para o cume (Torre). Passamos à frente da Nossa Senhora da Boa Estrela… Continua a subir muito, mas vale a pena porque as paisagens são lindas, acho que podemos vê-lo nas fotografias… até ao planalto onde finalmente podemos descansar as pernas e as baterias. Esta parte é mágica. Andamos de bicicleta por uma estrada estreita no meio do nada… um momento inesquecível.

Logo depois, começa a descida para Sabugueiro. Não se esqueça de se proteger bem porque na descida o corpo arrefece rapidamente. Esta descida é uma das mais belas que já fiz. Max 72 km/h porque eu queria desfrutar da paisagem!… mas para quer andar mais rápido, tudo é possível!

Chegada ao Sabugueiro: mudança de bateria pois vamos subir novamente até o nosso Eco-hotel no Vale do Rossim. Está quase escuro quando chegamos, cansados mas felizes. Gastámos cerca de 750 Wh de energia em bateria.

Uma variante mais fácil do desafio:
A alternativa ao nosso desafio é parar e passar a noite no Luna Hotel Serra da Estrela onde recarregamos as baterias, depois fazer a segunda parte no dia seguinte. Também pode ser uma excelente solução para desfrutar da paisagem.

Chegada ao Eco-resort do Vale do Rossim:

Eco-resort Vale do RossimAs casas de madeira do eco-resort são bonitas e o pessoal muito acolhedor. Ambos têm dois quartos e uma kitchenette para cozinhar. No entanto, eles não são muito bem isolados e estamos felizes por encontrar um aquecimento adicional para a noite. Jantámos no restaurante mesmo ao lado, que é muito bom: os pratos com javali estão no centro das atenções!

 

 

 

A visita da fábrica Burel em Manteigas:

Marcámos o segundo dia para a visita de Manteigas e da famosa fábrica de Burel. A lã e a tecelagem são ainda feitas de forma tradicional para dar ao tecido Burel características muito rugosas e sólidas. Mas a fábrica Burel também fabrica produtos em lã mais macia para cachecóis ou outros tecidos. Os seus produtos são todos extremamente criativos. Encontram-se igualmente em Lisboa (Chiado) e no Porto.
A descida de bicicleta até Manteigas é muito fácil (14 km), mas conte uma hora e meia para a subida… com uma diferença de altitude de mais de 800 metros.

 

Regresso no 3º dia pelo vale: mágico!

Tivemos o comboio de regresso à Covilhã – Lisboa às 15:00. A idéia era almoçar na Covilhã quando chegássemos por volta das 13:00. A distância é de 60 km através do vale, de Manteigas à Covilhã através das aldeias de Sameiro, Valhelhas,… a estrada, quase sempre descendente, é magnífica. Segue durante algum tempo o Zêzere, e do vale começa a alargar-se à medida que sobe até à planície e às suas hortas, campos de cerejeiras, macieiras, nêsperas… e, claro, às suas vinhas.
Na chegada, encontramos um restaurante muito bom a um preço muito razoável e a um passo da estação: o Lago.

 

Fim-de-semana passado, descanso no comboio… chegada sem stress 3 horas depois em Santa Apolónia com o desejo de partir já para descobrir outra região de Portugal.

 

Para mais informações, não hesite em contactar-nos:

LOJA de BICICLETAS ELETRICAS: LISBOA – Parque das Nações. Passeio de Neptune lote 2.01.01.F Loja 22, 1990-192 Lisboa, Portugal. Phone: +351 91 970 3043
Email: ebikeloversportugal@gmail.com

Seg e Domingo. :Descanso semanal  / Terça-feira:14h00-19h00 / Quarta-feira: 14h00-19h00 / Quinta-feira: 14h00-19h00 / sexta-Feira. 10h00-19h00 / Sábado: 10h00-19h00

 

LOJA de BICICLETAS ELETRICAS: CASCAIS – Avª Infante Dom Henrique, 1027 a – Loja A , 2750-169 Cascais, Portugal. Phone: +351 93 392 27 60
Email: ebikeloverscascais@gmail.com

Dom & Seg. :Descanso semanal  / Terça-feira:14h00-19h00 / Quarta-feira: 14h00-19h00 / Quinta-feira: 14h00-19h00 / sexta-Feira. 14h00-19h00 / Sábado: 14h00-19h00

 

 

 

 

 

João Silva

administrator

Post a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *